Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

A Esperança...

 

 

- No outro dia vi a menina a atirar-se.

 

 

Viro-me. Um homem, dos seus setenta anos, observa-me.

 

 

- Estava longe. - diz-me. - Não pude alcançá-la. Fui para casa a pensar nisso. Mas com uma queda destas, nada havia a fazer. O que a levou a fazer aquilo? Como conseguiu?

 

- Não sei... - digo-lhe. - Não me recordo.

 

- Digo-lhe já. Teve muita sorte. A menina foi abençoada com esta dádiva. Sobreviver...

 

 

Ato a minha túnica a uma pequena mala que possuo e que me acompanha sempre. Permaneço em silêncio.

 

 

- O meu nome é Jonas. Moro por detrás daquele pequeno monte com a minha mulher. - aponta na direcção. - Temos uma casinha, horta e ovelhas.

 

Sorrio.

 

- Porque não vem um dia lá jantar? - pergunta-me. - É uma casa humilde mas comida não lhe faltará. E uma cama se precisar. A minha Rosa faz uns queijos das nossas ovelhas que digo-lhe, menina... Qual a sua graça?

 

- Esperança.

 

- Bom, menina Esperança como estava a dizer, os nossos queijos são divinais! Apareça! Contei à minha esposa que vi uma moça a atirar-se do rochedo. Olhe que a pobre ficou a noite toda a pensar nisso. Mal dormiu. Queria que ela visse que estava bem. Que estava viva! Seria uma alegria enorme!

 

Os olhos do homem, negros e grandes, humedecem. Noto-lhe uma tristeza enorme. Ele observa o mar...

 

- Sabe, nós perdemos um filho neste mar. - a voz treme-lhe. - Era pescador. Tal como eu fui. Nunca quis essa vida para ele, mas teimoso... Seguiu-me as pisadas. Gostava daquilo. Íamos os dois e mais sete na minha pequena embarcação. O "Glória". Bons tempos esses. Muito peixe...

 

Faz uma pausa enquanto retira um lenço do bolso das calças gastas. Limpa os olhos.

 

- Um dia combinou com dois amigos. Ele era experiente os outros não. Mas nem foi por isso. A tempestade. O barco virou... Menina, não sabe o desgosto. Os três morreram. A minha mulher e eu... Ai menina... Vendemos tudo o que nos recordasse da nossa vida no mar. Comprámos aquela pequena casa e... O nosso Tomás... O desgosto, menina, o desgosto...

 

E chora.

 

O corpo dele treme da angústia. Chora compulsivamente. Aproximo-me e pouso-lhe a mão no ombro.

 

- Terei todo o gosto em comer os vossos queijos... - digo por fim.

 

 

 

 

 

 

E ali, naquele rochedo, de onde me atirei para o vazio, tornei-me na Esperança...

 

 

 

 

 

 

 

A minha alma ouve: Roxette - Whish I Could Fly

Escrito por Capitã_de_vida às 20:26
link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

.Pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.Memórias Recentes

. Casa com vista para o inf...

. A Esperança...

. Quando as vontades se atr...

. Mergulho no abismo...

. Significados

. Início

.Memórias Escritas

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.Quantos Navegantes

inteliture.com
search engine optimization

.Quem navega...

.O som do Mar e da Terra


Adiemus - Enya

.Quantos Navegantes

inteliture.com
search engine optimization
blogs SAPO

.subscrever feeds